sábado, 11 de setembro de 2010

A resistência fronte ao genocídio


Nom é nova a perseguiçom sobre o idioma da Galiza. Desde finais do século XV, os embates sufridos polo nosso idioma fôrom-se concatenando até os nosos dias. Várias etapas tem tido, em terminologia medieval aplicada ao nosso caso -e tam de actualidade-, o processo de 'doma y castracion de Galizia', Nebrija, dixit.

Nesta linha, e referido ao popularmente conhecido como 'Decretaço', pode-se ler no portal informativo galego em linha Galiza Livre, num texto intitulado "o professorado que desafie o 'Decreto de Plurilingüismo' será denunciado por organizaçons de ultra-direita" o que segue:

Redacçom / Galicia Bilingüe e a Asociación Nacional por la Libertad Lingüística (ANLL) continuam a pressionar para que o espanhol se assente definitivamente nas escolas do País. Segundo declarárom recentemente, estám a preparar umha ofensiva jurídica contra todas as mestras e mestres que se neguem a impartir na língua do Reino de Espanha as aulas assim estipuladas polo decreto do governo de Feijoo. Esta será umha das muitas medidas que se executarám para pressionar à comunidade docente conscienciada da importáncia do galego na escola, somada ao forte seguimento administrativo que só velará pola presença do espanhol.



ANLL e Galicia Bilingüe

A ANLL, presidido por Pablo Yáñez, é um novo agente no mapa da luita contra a normalizaçom do idioma da Galiza. O colectivo, que até o de agora estivera activo sobretodo nos Países Cataláns, declarou que levará “aos tribunais a quem nom respeite as horas de espanhol” nas aulas, qualificando de “insuficiente” a reduçom das horas em galego.

Segundo declaraçons de Gloria Lago, presidenta de Galicia Bilingüe, a sua organizaçom luitará “contra o adoutrinamento nacionalista no ensino”, fazendo um seguimento do decreto por eles impulsionado. O colectivo muta para procurar novos financiamentos, convertendo-se em “fundaçom” e sendo reconhecida como entidade de “utilidade pública”. Estas novas vias encheriam o vazio económico que deixárom algumhas deputaçons do PP que diminuírom as suas ajudas, vendo na aliança com Galicia Bilingüe umha arma que lhe poderia retirar muitos votos.

seguir lendo nova em Galiza Livre

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Éxito nas Jornadas de História

Como sabedes, o passado dia 13 e 14 de fevereiro desenvolvemos na nossa bisbarra umhas Jornadas de História. A cabalo entre Noia e Boiro, a Escola Popular Galega (EPG), junto à sociedade cultural Roi Soga de Lobeira e o Centro Social Aturuxo, respectivamente, organizamos com vários ponentes diversas mesas a travês das que se recreou e analisou parte do passado do nosso país. Aqui tedes várias instantâneas e um pequeno clip de vídeo do remate dum dos seminários incentivados pola Escola Popular por todo o país;nomeadamente apresentamos o final da intervençom do veterano soberanista Luís Gonçales Blasco, 'Foz'.


video

domingo, 31 de janeiro de 2010

Formaçom em marcha


Desde o passado Día da Pátria a recém nada Escola Popular Galega (EPG) vém desenvolvendo diversas actividades. Adicada fundamentalmente a formaçom, a EPG já artelhou seminários de História, Socio-lingüística ou feminismo.

Tal e como indicavam responsáves da entidade o projecto nasce como resposta ao ensino tradicional, ao serviço de interesses alheios que favorecérom o desmantelamento e abandono do ensino público.

Assim, o projecto educativo escolar galego "...quer ser um instrumento à disposiçom da comunidade nacional galega para exercermos a soberania educativa a partir dum ensino solidário e crítico", para além de nosso.

A EPG conta cumha Sede Nacional cheia de História. Em pleno casco velho da cidade de Vigo, nomeadamente na Rua Real, número 12, fica a devandita sé no obradoiro no que se imprimiu Cantares Gallegos de Rosalia de Castro no ano 1863. Aliás, poderás achar em rede o projecto, no site http://agal-gz.org/blogues/index.php/EPG/

Entre as vindeiras actividades que a EPG tem previsto celebrar fica a Introduçom ao género e dous seminários intenssivos sobre História Medieval e Contemporánea da Galiza. O primeiro desenvolverá-se em Vigo o sábado 6 de fevereiro e os segundos a cabalo entre a Ria de Muros-Noia e o Barbança. Estes últimos terán acolhida concretamente o sábado 13 e o domingo 14 na Casa de Cultura de Noia e o C.S. Aturuxo de Boiro, respectivamente.

A participaçom é de balde.

Achega-te e verás!